"Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?" (Lucas, 43)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
31/01/2017
O duríssimo julgamento de um cônego condenado ao inferno
...agora que sabes da queda e desgraça dele, serve-Me com maior sinceridade do que ele, em proporção à maior misericórdia que te dispenso!
 

Condenado ao inferno

O JULGAMENTO PARTICULAR DE UM CÔNEGO

Santa Brígida, descrevendo como foi julgado um homem no tribunal de DEUS e sobre a terrível sentença ditada sobre ele por DEUS e por todos os Santos.
 

EXPLICAÇÃO:  Esse homem era um Cônego de nobre reputação e subdiácono que, havendo obtido uma falsa dispensa, quis se casar com uma rica donzela. Contudo, foi surpreendido por uma morte repentina e não conseguiu o seu objetivo.
E morrendo foi condenado ao inferno.

Santa Brígida viu, DEUS estava enojado e falou:

EU Sou sem princípio e fim. Não há mudança em MIM nem de anos nem de dias. Todo o tempo do mundo é como uma só hora ou um momento para MIM. Todos aqueles que ME veem, contemplam e entende tudo o que existe em MIM num instante. Entretanto, esposa minha (Santa Brígida), pelo fato de estar num corpo material, não podes perceber nem conhecer como um espírito conhece. Por isso, para teu bem, te explicarei o que sucedeu. EU estava, por assim dizer, sentado no tribunal para julgar, porque todo juízo ME foi dado, e certa pessoa veio a ser julgada no tribunal.

A voz do PAI ressoou contra o réu e disse: 

- Mais te valeria não ter nascido.

Não era porque DEUS tivesse se arrependido de tê-lo criado, e sim como qualquer um que sentisse preocupação pela pessoa e se compadecesse dela.

A voz do FILHO confirmou:

- EU derramei o Meu Sangue por ti e aceitei uma duríssima penitência, mas tu te afastaste completamente como se isso não tivesse nada a ver contigo.

A voz do ESPÍRITO disse:

- EU busquei por todos os rincões de seu coração para ver se poderia encontrar algo de ternura e caridade nele, mas tu és tão frio como o gelo e tão duro como uma pedra. Este homem não ME diz respeito.

Estas três vozes não se ouviram como se fossem três deuses, mas foram ditas audíveis para ti, Minha esposa (Santa Brígida), porque de outra forma não terias podido compreender este mistério.

As três vozes, do PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO, se transformaram imediatamente em uma só voz que retumbou e disse:
- De nenhuma maneira merece o reino dos Céus!
A MÃE da Misericórdia permaneceu em silêncio e não moveu a Sua misericórdia, pois o réu não era digno Dela.

Todos os Santos clamaram a uma voz dizendo:

- É justiça Divina para ele, ser perpetuamente exilado de Seu Reino e de Seu gozo.

Todos no Purgatório disseram:

- Não temos uma Penitência suficientemente dura para castigar teus pecados. Terás que suportar maiores tormentos e, portanto, tens que ser afastado de nós.

Então, o mesmo pecador exclamou com uma voz horrenda: 

- Ai, ai da semente que fecundou no ventre de minha mãe e da qual eu me formei! 

Pela segunda vez exclamou:

- Maldita a hora em que minha alma se uniu a meu corpo e maldito aquele que me deu um corpo e uma alma!

Voltou a clamar uma terceira vez:

- Maldita a hora em que sai do ventre de minha mãe!

Então chegaram três vozes horríveis do inferno que lhe diziam:

- Vem conosco, alma maldita, como o líquido que se derrama até a morte perpétua e vive sem fim! Vem, alma maldita, vazia por sua maldade! Nenhum de nós deixará de encher-te com o seu próprio mal e dor! Vem, alma maldita, pesada como uma pedra que se afunda e nunca alcança o fundo onde descansar! Descerás mais baixo que nós e não pararás até que não tenha chegado ao mais profundo do abismo.

Então, o SENHOR disse:

- Como um homem com várias esposas, que vê cair uma e se separa dela, se volta para as outras que permanecem firmes e se alegra com elas, assim EU separei dele o Meu Rosto e Minha misericórdia, e ME volto para os que ME servem e ME obedecem e ME alegro com eles. Portanto, entenda, agora que sabes da queda e desgraça dele, serve-ME com maior sinceridade do que ele, em proporção à maior misericórdia que te dispenso! Aparte-te do mundo e de seus desejos! Por acaso EU aceitei tão amarga Paixão pela glória do mundo? Ou porque não podia consumá-la em menos tempo e com mais facilidade? Claro que podia! Contudo, a justiça exigia isso, que acontecesse como foi. Como a humanidade pecou em todos e cada um de seus membros, tive que fazer cumprir a justiça em todos e cada um dos MEUS membros. Por isso, DEUS, em Sua compaixão pela humanidade e em Seu ardente amor para com a VIRGEM, recebeu Dela uma Natureza Humana através da qual EU pude suportar todo o castigo ao qual estaria fadada a humanidade. Ao haver tomado sobre MIM o teu castigo (humanidade), por amor, permaneça firme na verdadeira humildade, como os Meus servos, assim, não terás nada de que te envergonhar nem nada que temer mais que a MIM! Guarda tuas palavras de tal forma que, se essa fosse a Minha Vontade, tu não falarias. Não te entristeças pelas coisas temporais que tão somente são passageiras. EU posso fazer a quem EU quiser, rico ou pobre. Assim, pois, esposa minha (Santa Brígida), deposita toda a tua esperança em MIM!
 _______________________
Fonte: "
Citações dos Santos", em 31/01/2017.

 

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 219 - Impresso: 4 - Enviado: 3

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte www.totustuusmariae.com.br

 

 
     
 
Visitas Únicas Hoje: 189 - Total Visitas Únicas: 263958 - Usuários online: 11