"Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?" (Lucas, 43)
 
       
 
Documento sem título
 

Livro: Livro do Eclesiástico



 
Capítulo 21
Este capítulo foi visto 377 vezes.
 
1. Filho, pecaste? Não o faças mais. Mas ora pelas tuas faltas passadas, para que te sejam perdoadas.
2. Foge do pecado com se foge de uma serpente; porque, se dela te aproximares, ela te morderá.
3. Os seus dentes são dentes de leão, que matam as almas dos homens.
4. Todo pecado é como uma espada de dois gumes: a chaga que ele produz é incurável.
5. O ultraje e a violência destroem as riquezas. A mais rica mansão se arruína pelo orgulho; assim será desenraizada a riqueza do orgulhoso.
6. A oração do pobre eleva-se de sua boca até os ouvidos (de Deus), (e Deus) se apressará em lhe fazer justiça.
7. Aquele que odeia a correção segue os passos do pecador, aquele que teme a Deus volta ao seu próprio coração.
8. De longe é conhecido o poderoso de linguagem insolente, mas o homem sábio sabe como se descartar dele.
9. Quem constrói a sua casa às custas de outrem, é como aquele que amontoa pedras para (construir) no inverno.
10. A reunião dos pecadores é como um amontoado de estopas: seu fim será a fogueira.
11. O caminho dos pecadores é calçado de pedras unidas, mas ele conduz à região dos mortos, às trevas e aos suplícios.
12. Aquele que guarda a justiça penetrará o espírito dela.
13. A sabedoria e o bom senso são a consumação do temor a Deus.
14. Jamais tornar-se-á hábil aquele que não é sábio no bem,
15. pois há uma sabedoria que produz muito mal. E o bom senso não está onde está a amargura.
16. A ciência do sábio espalha-se como a água que transborda, e o conselho que ele dá permanece como fonte de vida.
17. O coração do insensato é como um cântaro lascado, nada retém da sabedoria.
18. Qualquer palavra sábia que ouça o homem sensato, ele a louvará e dela se aproveitará. Que a ouça um voluptuoso, e ela lhe desagradará, e ele a arremessará para trás de si.
19. A conversa do insensato é como um fardo para carregar, mas o encanto se acha nos lábios do homem sensato.
20. A conversação do homem prudente é procurada na sociedade; todos relembrarão suas palavras em seus corações.
21. A sabedoria é para o insensato como uma casa arruinada; a ciência do insensato é feita de palavras incoerentes.
22. A instrução é para o insensato como peias nos pés e como algemas nas mãos.
23. O insensato eleva a voz quando ri, mas o homem sábio sorri discretamente.
24. Para o homem prudente a ciência é um ornato de ouro, uma pulseira que traz no braço direito.
25. O insensato põe facilmente os pés na casa do vizinho, mas aquele que tem educação hesita em visitar um poderoso.
26. O insensato olha dentro de uma casa pela janela; o homem bem educado permanece fora.
27. É sinal de loucura escutar a uma porta; o homem prudente indigna-se com tal grosseria.
28. Os lábios dos imprudentes só proferem tolices, mas as palavras do sábio têm peso na balança.
29. O coração dos insensatos está na boca, a boca dos sábios está no coração.
30. Quando o ímpio amaldiçoa o adversário, amaldiçoa-se a si mesmo.
31. O delator macula-se a si próprio, e é odiado por todos; o que mora com ele será odioso, mas o homem sensato que se cala será honrado.

 
 


 
     
 
Visitas Únicas Hoje: 54 - Total Visitas Únicas: 335019 - Usuários online: 6